Awkward propositions

  • Performance
  • transdisciplinar

Date

Nov 16 - 27 2022

Time

All Day
  • 00

    days

  • 00

    hours

  • 00

    minutes

  • 00

    seconds

Sentimentos de embaraço ou inadequação são algo que encontramos regularmente na nossa vida quotidiana, em diferentes formas e intensidades.
//Ogni volta che esco di casa controllo di aver messo i calzini//
Como pessoas trans, a mera existência dos nossos corpos já pode ser a causa de tal embaraço aos olhos dos outros, um “não cumprimento” mais ou menos óbvio das normas corporais esperadas.
//Se una sconosciuta mi guarda intensamente è perché mi trova stranx?//

Mas o sentimento de escrutínio público e o não cumprimento de regras e sugestões sociais não escritas que causam embaraço é algo que regula todas as nossas vidas de formas muitas vezes subconscientes.
//Ho mangiato la pizza rucola e pomodorini e ora ho l’insalata tra i denti//

O que acontece se não nos afastarmos desses sentimentos de mal-estar e em vez disso nos inclinarmos para eles, começarmos a explorá-los? Convidá-los e executá-los activamente?
//Rispondo alle linguacce delle bambine per strada//

Que prazeres inesperados podem vir do abraço do incómodo, e o que podemos aprender com isso?
//Cado senza controllo dalle scale e rimbalzo col culo su ogni gradino. Mi piace.//

Como artistas, queremos investigar o embaraço, a insensatez, a ingenuidade e o fracasso como uma estratégia artística e social.

Somos dois artistas com formações diferentes que se encontraram em Berlim, onde decidimos colaborar e combinar os nossos interesses mútuos.

Giacomo vive em Itália e tem uma formação mista em teatro e artes performativas. Nos últimos anos têm vindo a desenvolver projectos autónomos e independentes, utilizando a sua identidade, experiência e corpo trans e queer como campo de investigação e de jogo.
//Ho dato un bacio in bocca ad un’amica quando volevo solo abbracciarla//

Jo Sordini é um artista baseado em Berlim interessado em utopias queer, drag e silliness como estratégias artísticas que podem expandir de forma lúdica o nosso reino de possibilidades. Trabalham frequentemente com vídeo, fotografia, performance e instalação.
//Ho detto grazie ad una persona a cui io ho fatto un favore//

Juntos, queremos utilizar o tempo da residência para investigar o embaraço como uma estratégia artística, livremente estruturada em torno das seguintes questões:

Recolher, partilhar, desconstruir:

//L’autoironia è uno strumento di riappropriazione identitaria e corporea?//
Que formas de constrangimento são comuns para nós? Que momentos podemos recordar que nos sentimos embaraçados? Que sensações corporais existiam?
Que normas sociais estavam em jogo? Que formas de opressão ou hegemonias estavam presentes? Como reagimos nessa situação?
O que significa fazer figura de parvo?
Como exprimir e experimentar vergonha, absurdo cómico ou outros sentimentos que derivam de embaraço?

//Cinque anni fa ho cantato Sere Nere di Tiziano Ferro al karaoke e ho stonato di brutto.
Se devo usare il wc in un bagno pubblico aspetto che prima siano uscite tutte le persone.
Mi ricordo ancora quando ho chiamato la mia partner con il nome di mia madre//

Construção de um parque infantil:

Os artistas ainda podem ser constrangedores? Devem ser embaraçosos, e porquê?
O que pode a inépcia oferecer-nos como estratégia artística?
//Ho riguardato le foto di quando ero adolescente//
Como podemos trabalhar com vergonha? Haverá maneiras de convidar a vergonha para a nossa prática, de a desfrutar e de nos sentarmos com ela?
//Mi hanno chiesto se parlo francese e ho risposto di sì non so perché//
Como podemos trabalhar com absurdidade? Como com ironia? Como com a tolice?
//Stavo cambiando fantasia al mare e mi è volato via il salviettone//
Se as nossas práticas artísticas funcionam como uma forma de jogo, um espaço regulamentado de liberdade, como podemos torná-lo um espaço de desconforto?
Através de que exercícios podemos, conscientemente, pôr a nu e perturbar as expectativas sociais?
Através de que movimentos, acções e performances podemos convidar à inépcia, e transformá-la em diferentes emoções?
// Em discoteca quando inizio a ballare si svuota la pista//
Como podemos representar loucuras? O que é uma estética incómoda?
Quais são as ligações e relações entre a estranheza e o embaraço?

Abrindo-a:

Como podemos convidar outras pessoas para este recreio social de constrangimento?
//Vieni a giocare con noi?//
Como podemos convidar especialmente os não artistas, ou recriar estes momentos de brincadeira em situações da vida quotidiana?
//Ti va di cadere dalle scale con me?//
Podemos criar um arquivo, um manual ou instruções para o desconforto?
//Sei capace di non essere capace?//

Organizer

Giacomo AG & Jo Sordini